Fases de Escada

Escadaria

Fonte: http://www.portaldobixiga.com.br/escadaria-do-bixiga/

Quando eu era adolescente costumava dizer para uma amiga minha que existiam “fases de escada” são fases em que são mais difíceis de passar, a gente precisa de mais força de vontade, as vezes de mais força física também, porém, elas nos levam mais alto.

As vezes você pode estar passando por uma fase assim, em que todos os dias trazem alguma dificuldade, algum problema ou burocracia, coisas que mexem com suas crenças, seus valores, sua rotina e suas emoções, mas como diz aquele famoso provérbio “isso também passa“.

Esse texto é pra te dizer: segura firme no corrimão e vai passando pelos degraus, quando você perceber, já estará lá em cima! Tenha orgulho de você e das suas pequenas lutas diárias, elas te levarão longe!

-Alana Bastos 

Anúncios

Como eu aprendi inglês?

Aprender um novo idioma nunca é fácil e muitas pessoas desanimam por acreditarem que elas nunca conseguirão aprender, por isso decidi contar pra vocês toda a minha história com o inglês que começou quando eu era criança e eu só fui sentir que tinha um domínio maior quando eu já estava no primeiro ano da faculdade. Não que sempre demore tanto, acho que cada pessoa tem seu ritmo.

Se você gostou do vídeo dê seu joinha e claro, se inscreva no canal!

-Alana Bastos

1 ano de Network, o que mudou?

Networks são empresas que podem te pagar pelos anúncios do Youtube, além de te darem algumas vantagens, mas elas também ficam com uma porcentagem do que você ganha, por isso todo mundo se pergunta: vale a pena? Respondi um pouco isso mostrando o que aconteceu com o canal depois de 1 ano na Kandesa que faz parte da Broadband TV.

Lembrando que essa foi minha experiência, no meu canal e com essa Network específica e você deve sempre pesquisar antes de assinar qualquer coisa com qualquer empresa porque é um contrato e é algo muito sério!

-Alana Bastos

Aponta pra fé e rema!

Se vocês querem saber eu mudei muito, não muito na aparência, mas muito na minha visão de mundo, antigamente quando via blogueiras falando de viagens internacionais de idas a lugares incríveis tudo que eu conseguia pensar era “por que não eu?”. E eu sei que muita gente pensa assim mesmo, não é fácil não pensar porque alguns objetivos muitas vezes parecem impossíveis de ser conseguidos, mas não sei o que foi que me deu um tic  e eu percebi umas coisas de uma hora pra outra, se querem saber, vou contar tudo pra vocês:

Eu nasci em uma família super simples e sempre vi meus pais se matando e fazendo malabarismo com as despesas pra um único objetivo: pagarem a minha escola. Naquela época eu era criança, mas em algumas lembranças que eu tenho hoje dá pra saber que era tudo bem difícil, a gente saia pouco, comprava pouco mas a minha mãe sempre teve uma boa noção de estilo então por incrível que pareça em todas as fotinhos de família nós estávamos todos bem vestidos, ela investia em lojas baratas mas em bons tecidos, coisas que podiam durar, e muitos como a minha jaqueta jeans duraram até hoje.

Na minha pré-adolescência eu queria mais coisas, mas foram poucas as vezes que eu esperneei pra pedir porque eu sabia que não dava, mas eu sonhava com algumas coisas uma delas era um guarda-roupa cheio de bjuterias, relógio, e principalmente perfumes, porque eu fui na casa de uma amiga com condições bem melhores e me apaixonei pelos perfumes dela.

Eu nunca pude ter um monte de coisas, mas eu tive coisas porque minha mãe fazia milagres, com muita paciência nós montamos pra nós duas um bom guarda-roupa, como? No começo a regra era os básicos: duas calças jeans boas, uma jaqueta jeans, blusas de lã baratas, quentes e bonitas, blusinhas coloridas, scarpin preto, uma bota, e uma sandália de salto pra ocasiões como casamentos e formaturas. Cuidar do cabelo também não era muito fácil, nem para mim, nem para ela, mas a gente sempre fez nosso melhor, não era muito bom, mas era o que a gente podia investir em beleza.

Eu nunca fui muito ligada em aparelhos eletrônicos, até hoje não tenho um celular android (estou me programando pra comprar ano que vem) então não foi difícil, nem um pouco..

Graças a minha vó eu tive a oportunidade de viajar pra Minas e pro Rio (Paraty) mas o que eu queria mesmo era que a família toda pudesse fazer viagens incríveis.

O tempo foi passando e meus pais foram dando o jeito deles, nem me pergunte como, eu não sei não, só sei que sempre vi meu pai fazer muitos cursos, se esforçar muito, arrumar várias vezes o currículo e deu certo: hoje ele trabalha fora do país. Se a gente enriqueceu? Nem! Mas hoje sobra uma grana pra algo mais além de pagar minha escola e a do meu irmão.

Ter muitos perfumes não é algo muito importante, mas eu tenho 5, 5 que eu amo, um deles presente do pai lá de Paris, será que eu podia um dia acreditar nisso? Outros vieram embaladas em caixas lindas (alguns presentes da minha Maria e do meu tio Ricardo), da Avon, do Boticário, da Capricho… Eu fui comprando ao pouquinhos e juntando uma boa coleção de sapatos, com direito a muitas sandálias fofas, alguns sapatos vermelhos *-*, três botas com estilos diferentes e esses dias falei “acho que depois que eu comprar um tênis pra sair não preciso mais de sapatos não!”. Eu não devo passar dos 30, mas eles são suficientes e já me deixam feliz de olhar todos arrumadinhos : )

Juntei também uma boa necessaire, porque com o passar dos anos eu descobri marcas baratas mas também boas e também descobri quais as coisas que a gente tem que juntar uma grana a mais pra gastar e quais podem ser de 1,99 mesmo e no Natal passado ganhei mais uma completinha do meu tio, um verdeiro sonho! Eu e minha mãe descobrimos nossa fada madrinha em formato de cabeleireira e deixamos uma graninha pra nossa progressiva do coração, um pouco mais cara que as que eu vi por aí, mas deixa o cabelo bonito e hidratado poupando gastos com outros produtos : )

Meu guarda-roupa também aos poucos, com o passar dos anos, eu fui completando, só faltam umas roupas pra quando eu trabalhar ano que vem,  de resto tá tudo ok, por isso é bom investir em coisas mais clássicas como jeans, jaquetas e t-shirts, que você possa usar sempre e só depois partir para as tendências das quais você pode enjoar mais fácil e que podem sair de moda.

Esses dias ganhei um tablet android do meu pai, fiquei feliz, agora posso explorar aplicativos e assustar todo mundo com as minhas fotos no Instagram, parece que aos poucos, com paciência e dedicação as coisas que a gente quer vêm até nós né? 

E a melhor parte: nós fomos viajar DUAS vezes! Todos juntos (inclusive meu namorado), foi só pra Ubatuba (SP) mas nessas duas viagens pudemos conhecer Caraguá, Paraty (RJ), Ilha Bela, Maresias e São Sebastião. Andamos em pedras, pegamos dias de sol na piscina, entramos na balsa pra ilha bela, comemos em um restaurante super vintage, andamos de noite, e dessa vez não fui só eu, todos estávamos lá! E eu sou tão grata a Deus e toda a minha família por tudo isso, essa gratidão não cabe mim!

É por isso que eu acredito que a tendência é evoluir, minha vida evoluiu muito! E é por isso também que quando ouço uma menina qualquer falando de uma loja muito boa em Miami, em Paris, em Londres, em Ibiza, eu penso:

-Loja x? Ok, vou lembrar desse nome quando eu for pra lá!

Porque eu sei que um dia eu vou mesmo, vou lutar, vou planejar, vou viajar e vou contar tudo pra vocês aqui!

-Alana Bastos

IDC

As vezes eu queria poder me desprender um pouco do meu nome, não que eu não goste dele, pelo contrário, acho que minha mãe acertou em cheio – Alana é um nome lindo, musical- mas certas vezes acho que os nomes carregam um peso muito forte, quando falam meu nome eu mesma já penso em todas as coisas que sei sobre mim, e acho que as outras pessoas quando o ouvem pensam o mesmo, então as vezes eu prefiro não ser nomeada. Prefiro ser chama de “a garota baixinha”, “aquela ali de salto” e as vezes em alguns momentos difíceis eu penso “eu não sou a Alana”, não sou essa Alana que todos conhecem, não sou essa Alana ruim em matemática e Ed. Física, não sou essa Alana que eu sei que é bipolar, não sou essa Alana de atitudes confusas, eu não sou, e o que eu sou? Uma garota baixinha, apaixonada por um garoto sério e divertido em partes iguais, que ama ler, ama mais ainda ler sobre a França, usa sempre salto alto e escreve todos os dias pra vocês!

-Alana Bastos

PS: Gostou do post? Segue o blog lá em cima! Nossa meta são 100 seguidores e se você curtiu nos ajude a chegar lá : )