Minha Transição Capilar: Fotos e Vídeos

transição capilar2

Foto no ônibus? Temos! kk

Quando eu era criança meu cabelo era cheio de cachinhos, mas aos poucos ao entrar na adolescência ele mudou um pouco e perdeu a definição, eu acreditava que meu cabelo não era nem liso, nem enrolado e não achava ele bonito, sentia que dava muito trabalho pra arrumar na hora de sair e por isso aos 16 anos me rendi a escova progressiva.

look outono inverno 4

Eu fazia progressiva 1 vez por ano e meu cabelo se adaptava super bem, ficava liso, mas com movimento e não ficava oleoso. Além disso, eu também sempre pintava o cabelo de preto ou castanho escuro, porque sentia que a cor dele não era definida também. Vários anos se passaram nessa mesma rotina e eu tinha pavor de retornar pro meu cabelo natural, até que veio o último ano da faculdade eu fiquei bem apertada na questão de dinheiro e resolvi esperar e ver como ele ficaria se estivesse natural.

transição capilar7

A primeira mudança que eu fiz foi desapegar um pouco do comprimento tão grande. Os meses foram passando e a textura natural começou a aparecer, eu percebi que não era um bicho de sete cabeças e que meu cabelo na realidade era ondulado! Mas eu continuava sentindo ele sem definição. Sentia também uma diferença grande do meio para as pontas.

transição capilar6

Eu já tinha ouvido falar de Big Chop – aquele corte onde tiramos a parte onde ainda tem química – e num evento da Avora Cosméticos tomei coragem pra cortar curtinho! Foi a melhor coisa que fiz: o cabelo ficou mais leve e mais e mais ondinhas surgiram foi nessa fase que eu aprendi a desapegar da ideia que temos de cabelo perfeito: aquele sem frizz, com as pontinhas todas viradas pro mesmo lado, esse cabelo não existe! Muitas vezes nosso caso tem até mais de uma textura, em partes é mais liso, em outras é mais ondulado, em outras quase forma um cacho e tá tudo bem.

transição capilar4

Aos poucos fui aprendendo a finalização que uso até hoje: seco o cabelo amassando de leve com uma toalha, passo algum leave in ou finalizador do meio pras pontas e vou amassando até formar ondinhas e deixo secar natural.

transição capilar5

Na época da minha colação de grau fiquei em dúvida se deveria fazer uma escova e baby liss ou só usar ele natural, escolhi a segunda opção, só lavei e finalizei como de costume e amei o resultado. Pra mim foi a prova definitiva de que a gente não precisa deixar o cabelo liso ou escovado em ocasiões sociais.

transição capilar3

Outra fase muito legal foi ver meu cabelo crescer e ganhar mais volume enquanto eu testava a linha Cabelo Forte e mesmo com o peso e comprimento ele não perdeu a definição.

transição capilar

Por fim, junto com a transição capilar veio também uma aceitação em diversos outros sentidos: da cor natural do meu cabelo, da minha pele sem maquiagem, da minha sobrancelha natural, do meu corpo, etc.

Alguns vídeos sobre:



Quem aí se identificou e tá passando pela mesma coisa? Ah e pra não perder nenhuma dica se inscreve no canal e me segue no instagram!

-Alana Bastos

Anúncios

SP: Horto Florestal + Leia Bem no Horto

horto2

Esse mês eu (re)conheci o Parque Estadual Alberto Löfgren mais conhecido como Horto Florestal, (re)conheci porque já devo ter ido quando era criança, mas não me lembrava de nada.

Ele fica localizado na zona norte de São Paulo, descendo no metrô Tucuruvi tem um ônibus que deixa bem em uma das entradas e é rico em fauna e flora naturais que restaram da Mata Atlântica e que foram preservadas.

O Parque tem muita grama, trilhas, lagos (não é permitido nadar ou pescar, mas a paisagem vale a pena), parquinhos para as crianças, é muito aberto e iluminado e a gente se sente muito perto da natureza.

E além de tudo isso conta com um espaço muito especial o Leia Bem No Horto organizado pelo coletivo ‘Você tem Fome de quê?‘ que tem a proposta de levar cultura e lazer até a periferia da Zona Norte.

O espaço é super aconchegante com cadeiras, mesas, espaços para desenhar e para leitura, a biblioteca é livre e não é necessário fazer cadastro nenhum para ter acesso aos livros e também não tem prazo para devolução. Além disso em determinados dias acontecem saraus, aulas e contações de histórias. Alias, eles aceitam doações de livros e materiais como folhas de sulfite e lápis de cor.

O horário de funcionamento do parte é das 06h as 18hs todos os dias e a entrada é gratuita! 

Quem já conhecia?

-Alana Bastos

Máscara Acneed Avenca + Morando Juntos

Eu não tive muitas espinhas quando era adolescente, em compensação depois que parei de tomar o anticoncepcional elas vieram com tudo! Por isso testei o kit Acneed da Avenca que vem com um sabonete facial e a máscara de argila verde enquanto eu e o Thiago conversamos sobre como está sendo nossa experiência de morar juntos na casa dos pais dele!

Se você gostou se inscreva no canal pra ver mais vídeos!

-Alana Bastos

1° Festival de Churros da Parada Inglesa: O que rolou!

festival churros1

Organizado pela empresa Festival Sabor do Brasil esse último final de semana ocorreu o 1° Festival de Churros da Parada Inglesa e eu estive lá pra mostrar um pouco do evento pra vocês:

 

O primeiro food truck que nós conhecemos foi o Churros da Si com a opção de churros doces incríveis e churros salgados! O meu da foto era vegetariano: de alho e queijos. E tem duas opções veganas: de goiabada e de banana.

explosão churros

Se você é mais tradicional iria gostar do Churros Espanhol da marca Explosão Churros. Escolhemos com Leite Ninho e Nutella de acompanhamento.

 

A Bono Churros trouxe 2 novidades: Uma caneca maravilhosa perfeita pra quem realmente ama doces e o churros tamanho 25cm!

tereza mexicana2

Mas o festival tinha muito mais do que churros: os amantes de comida mexicana também tinha seu espaço com a marca Tereza La Mexicana, uma das opções são os Tacos que podem ser de milho, beterraba ou espinafre.

 

E a felicidade da pessoa quando encontra um hambúrguer vegetariano? A marca Ô Xapero marcou presença de forma incrível com seus lanches artesanais!

motochopp3

Se depois de tudo isso batesse sede era só passar no Moto Chopp Clube uma motocicleta com tudo que uma cervejaria deveria ter, e é possível adquirir franquias!

 

É um caso de empreendedorismo incrível por criar um produto muito diferente e delicioso!

O que te deixou com mais vontade de experimentar?

Pra acompanhar essas e outras dicas em tempo real me segue lá no instagram!

-Alana Bastos

SP: Dona Nuvem

dona nuvem5

Quando pensamos em uma sorveteria é difícil pensar em um ambiente ou produto muito diferente e isso é exatamente o que mais me encantou na Dona Nuvem! Os sorvetes tem a opção com algodão doce (R$18,00) que dão a aparência de nuvem, existem sabores veganos (ponto pra eles!) e a opção de adicionar confeitos temáticos (de seria, unicórnio, etc).

dona nuvem4

Localizada em uma galeria na Augusta, toda a decoração é muito inspiradora e apesar do sabor do sorvete não ser excepcional é gostoso e rende cliques bacanas.

dona nuvem2

Além de um passeio divertido é uma ótima lição de empreendedorismo e de como criar um produto diferente a partir de algo comum e que seja legal o suficiente para os clientes compartilharem por conta própria!

O ponto baixo é que por ser em uma galeria não há muitos lugares pra sentar e a casquinha com algodão doce faz uma certa sujeira, alerta pra quem for levar crianças. De resto, é uma experiência diferente e divertida.

Endereço: Rua Augusta, 1524.

Para acompanhar as dicas de lugares e produtos em tempo real é só me seguir no Instagram.

-Alana Bastos

Um Dia na Pós Graduação – Fisioterapia Oncológica

Compartilhar com vocês todo o período da faculdade de Fisioterapia foi incrível, nos tornamos uma verdadeira comunidade e mais legal ainda é poder continuar compartilhando coisas sobre esse assunto, agora eu estou me especializando em Fisioterapia Oncológica a área que atende pacientes em tratamento de câncer, gravei um pouco da rotina dos dias de aula pra vocês:

Gostou? Se inscreve no canal do Youtube que tem vários vídeos de Fisioterapia!

-Alana Bastos 

Look sem Cintura marcada – Desconstruindo a Silhueta

Moda também é arte e política, ela fala e mostra mudanças sociais e é por isso que tem um tipo de look que cada vez chama mais a minha a atenção: looks sem cintura marcada!

silhueta desconstruida

Fonte: https://br.pinterest.com/pin/185843922103201542/

A história da moda mostra que desde o século XVII as cinturas femininas são valorizadas com os espartilhos justíssimos. Desde então muita coisa mudou, mas a nossa fixação por cinturas finas, modeladas e marcadas (apertadas) continua, e por que? Porque muitas vezes é apenas isso que reconhecemos como belo. Inspirada pelo post do Modices eu trouxe alguns looks que fogem desse padrão:

silhueta desconstruida 2

Fonte: https://br.pinterest.com/pin/693202567619006050/

silhueta desconstruida 3

Fonte: https://br.pinterest.com/pin/312789136610209678/

silhueta desconstruida 4

Fonte: https://br.pinterest.com/pin/219128338098382981/

silhueta desconstruida 6

Fonte: https://br.pinterest.com/pin/63824519702988102/

silhueta desconstruida 7

Fonte: https://br.pinterest.com/pin/219128338103931230/

silhueta desconstruida 8

Fonte: https://br.pinterest.com/pin/219128338103709906/

silhueta desconstruida 9

Fonte: https://br.pinterest.com/pin/219269075592470990/

A ideia não é criar regras na hora de se vestir, mas sim, treinar nosso olhar pra que a gente consiga ver novas coisas como belas e saia da obrigação de usar somente peças que marcam nossa cintura ou nos deixam mais alta/magra.

O que você acha dos looks? Lá no meu Pinterest é cheio de fotos de inspirações que eu salvo por aí!

-Alana Bastos